​Câmara autoriza Executivo a leiloar 60 bens públicos
17 de Outubro, 2019
Com o aval dos vereadores, Prefeitura poderá publicar edital de chamamento público para a realização de leilão de terrenos e imóveis localizados na área urbana

A Câmara Municipal de Bragança Paulista realizou a 37ª Sessão Ordinária do ano nesta terça-feira (15/10) com a aprovação em turno único do projeto de lei complementar 27/19. A matéria, de autoria do prefeito Jesus Chedid, autoriza a Administração a vender, por meio de chamamento público, 60 bens que compõem o patrimônio do município, entre terrenos e imóveis, localizados em áreas urbanizáveis da cidade.

No projeto a Prefeitura lista propriedades consideradas sem utilidade para a instalação de equipamentos públicos, localizadas nos bairros Uberaba, Jardim Água Clara, Jardim Lago do Moinho, Jardim Novo Mundo, Jardim São Miguel, Cidade Planejada I, Parque Brasil, Menin, Toró, Vila Aparecida, Vila Bernardete e Penha.

Os vereadores aprovaram o texto com a inclusão de emenda que específica que os imóveis não possam ser vendidos por valor inferior a 50% da avaliação de mercado. Em regime de urgência, os parlamentares ainda aprovaram em turno único o projeto de lei complementar 28/19, para a criação do SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho), com alteração na estrutura organizacional da Prefeitura.

Na sequência foram aprovados, em turno único, dois projetos que rendem homenagens a cidadãos de destaque. A vereadora Beth Chedid propôs a oficialização como Estrada Municipal Aristides de Souza Sardinha, para a via localizada no bairro Pereiras. O vereador Marco Antônio Marcolino foi o autor do projeto de Decreto Legislativo 8/19, para a concessão do título de cidadão bragantino ao professor Joaquim Gilberto de Oliveira.

O último projeto votado é de autoria da vereadora Rita Leme (PL 48/19), e foi aprovado em 1º turno. Com o texto, a vereadora propõe a instituição da Semana Municipal de Conscientização e Orientação sobre o Vitiligo, a ser realizada anualmente na semana de 25 de junho.

Os vereadores encerram a apreciação de matérias inscritas na ordem do dia com a aprovação de três moções. Com a moção 86/19, o vereador Claudio Moreno propôs a manifestação de aplausos do Legislativo aos servidores da Secretaria Municipal de Serviços em reconhecimento ao bom trabalho prestado. O vereador Antônio Bugalu é o autor da moção 89/19, que requer do prefeito estudos para a realização da pavimentação asfáltica no trecho final da rua Rosa Prando, no Jardim Morumbi, já o vereador Tião do Fórum propõe a reativação do posto da Guarda Civil Municipal na Praça Narciso Pinheiro, no Parque dos Estados, por meio da moção 92/19.

Tribuna Livre

Na Tribuna Livre o professor Espedito Pereira da Silva, da Academia Pantera Negra, falou sobre o trabalho realizado no município para o incentivo à prática do Kung-fu desde 1982, a convite do vereador Moufid Doher. “O kung-fu é uma arte marcial chinesa, que trabalha a mente e o corpo, além de desenvolver a disciplina, que é fundamental para a formação de um atleta. Iniciei no esporte aos 14 anos, e a partir de 1982 comecei a atuar como auxiliar no ensino da modalidade em Bragança Paulista”, lembrou Espedito.

O professor Espedito foi homenageado em cerimônia na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, em agosto, como reconhecimento pela contribuição na promoção do esporte. “Já fui campeão paulista quatro vezes, campeão brasileiro e disputei o campeonato mundial, e aproveito a participação na tribuna para pedir apoio dos vereadores para os atletas da cidade”, encerrou.

Autora do projeto que propõe a Semana Municipal de Conscientização sobre o vitiligo, a vereadora Rita Leme apresentou na tribuna o artesão João Stanganelli Junior, para falar sobre o tema. “A proposta que institui a semana de conscientização é essencial para que as pessoas saibam que não é uma doença contagiosa, e acredito que o preconceito se dá justamente por falta de conhecimento”, comentou João.

O trabalho do artesão ganhou destaque nas redes sociais após a publicação sobre os bonecos de crochê personalizados e inclusivos, que foram criados por ele. “Os portadores de vitiligo se recolhem, as crianças são vítimas de piadas, e em alguns casos podem até cometer suicídio, por isso é importante discutir o assunto, além da necessidade de acompanhamento com dermatologista e psicólogo. A criação de uma boneca com marcas na pele, como as de uma pessoa que tem vitiligo, é uma tentativa de fortalecer a autoestima, para que a questão seja tratada com mais normalidade”, ponderou João Stanganelli.

Galeria de Fotos