​Fabiana Alessandri comenta revisão do Plano Diretor
20 de Setembro, 2019
Vereadora presidiu audiência pública sobre o projeto e manifestou sua opinião sobre o trabalho realizado pelo Executivo e Universidade São Francisco

Após presidir a audiência pública sobre o Plano Diretor, a vereadora Fabiana Alessandri comentou, nesta terça-feira (17/9), suas impressões sobre o projeto e a participação da população nos debates. Fabiana destacou a fala de moradores da Serrinha sobre o zoneamento da região e irá estudar junto ao Executivo o tema.

“Foi realizado um grande diagnóstico, um belo trabalho do Executivo e da USF (Universidade São Francisco). Tivemos os debates conduzidos por meio de câmaras temáticas, audiências públicas, oficinas, oportunidades nas quais elencou-se uma série de demandas, deficiências e desafios para o poder público. Vejo que não houve apenas uma revisão, mas a construção de um novo Plano Diretor, o que é fundamental para o desenvolvimento ordenado da cidade”, disse.

A vereadora destacou que, durante a audiência pública buscou dar à população toda liberdade necessária para a manifestação. “Ouvimos todas as pessoas que desejaram fazer uso da palavra, tivemos cidadãos de diversos bairros, representantes de associações e empresários. Buscamos deixar as pessoas muito a vontade para expor suas preocupações. Fora apresentadas dúvidas sobre zoneamento, construções de edifícios, loteamentos em áreas rurais, preocupação na viabilidade de loteamentos entre tantas outras”, pontuou.

Fabiana citou a questão levantada por moradores da Serrinha. “A Associação Amigos da Serrinha se manifestou, pois aquele trecho consta como área rural. Tem fundamento o que eles dizem sobre a região poder ser considerada uma macrozona urbana, para que aconteça a urbanização de forma planejada, sem impactos negativos. A Serrinha é uma região diferenciada, polo turístico de grande desenvolvimento. Vou estudar esse tema com o Executivo”, afirmou. Da mesma forma, a vereadora se comprometeu a buscar informações sobre os demais temas abordados durante os debates.

Seguindo sua manifestação, Fabiana retomou a cobrança por demandas dos moradores do Portal São Marcelo. O principal problema apontado agora por eles é a distribuição de água. “Eles solicitaram nossa ajuda, pois precisam de alternativa para o fornecimento de água. Um morador fez análise da água de lá e detectou um pH extremamente baixo, ácido, que tem causado problemas de saúde aos moradores”, disse. Fabiana explicou que, em geral, os moradores possuem poços e fossas e que a proximidade de ambos pode estar contaminando a água.

Outra cobrança foi em relação aos serviços de zeladoria nas estradas da zona rural, como Bocaina, Campinho, Campo Novo e também o Jardim Amapola. Para região do ribeirão do Jardim Califórnia a vereadora solicitou que a Prefeitura avalie se não há nenhum perigo de erosão no entorno, pois houve a queda de um veículo no local.

Casa de Proteção à Mulher

Além de sua manifestação na tribuna, a vereadora Fabiana Alessandri também teve aprovada uma moção de sua autoria durante a 33ª Sessão Ordinária. A moção 71/19, assinada por ela e as vereadoras Beth Chedid e Rita Leme, requer o apoio do deputado estadual Edmir Chedid, na articulação junto ao Governo do Estado de São Paulo, para a instalação da Casa de Proteção à Mulher, destinado às mulheres e crianças vítimas de violência da região bragantina.

Fabiana destacou que, além de oferecer abrigo, a Casa também deve promover atendimento psicológico para a família acolhida. “Já foram aprovadas matérias em defesa da oferta do acolhimento para mulheres vítimas de violência em outras oportunidades, mas em razão dos custos e a dificuldade de viabilizar a proposta, optamos por encaminhar ao Governo do Estado a possibilidade de implementar um serviço regional”, justificou a vereadora. A moção foi aprovada por unanimidade.