​Marcus Valle lamenta votação em urgência para serviços de água e esgoto
29 de Junho, 2020
Vereador lamentou que a Administração levou meses na negociação da proposta com a Sabesp e pretende o aval do Legislativo em dois dias

O vereador Marcus Valle lamentou a convocação de sessões extraordinárias para votação em regime de urgência, da renovação do contrato para a prestação de serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município. Na fala, feita durante a 21ª Sessão Ordinária do ano (23/6), Valle argumentou que considera a Sabesp (Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo) como a melhor alternativa para o serviço, mas ponderou que o Executivo levou meses na negociação com a companhia e quer a aprovação dos vereadores em dois dias.

“Sempre considerei a renovação com a Sabesp a melhor alternativa para o município, e via no consórcio intermunicipal a tentativa de negociar em bloco a melhor proposta para as cidades, no entanto recebemos uma oferta que a gente não consegue entender os detalhes. Lamento o fato de termos apenas dois dias para analisar tudo, pois dá a sensação que somos um departamento com a finalidade de homologar tudo que a Prefeitura quer”, protestou Valle.

Na sequência, Marcus Valle voltou a falar sobre a instalação de radares no município. “Enviei um pedido de informações à secretaria Municipal de Mobilidade Urbana para entender os critérios adotados para a instalação de radares, pois existe uma resolução do Contran (Conselho nacional de Trânsito) que exige que a instalação dos equipamentos de medição de velocidade sejam justificadas, pois em alguns pontos são importantes, mas em alguns locais a colocação não é justificada.”

O vereador encerrou a participação na sessão com análise da pandemia no município. “Infelizmente o país tem registrado a média de 1300 por dia, o que significa que não estamos em descendência. No início da pandemia o número de óbitos em Bragança Paulista ocorreu de forma assustadora, mas atualmente estamos com um número menor do que em outras localidades, o que significa que parte da população colabora,e outra parte não”, concluiu o vereador.


(Foto de Arquivo)